A sensação de coceira e queimação na vagina ou vulva, é muitas vezes uma experiência embaraçosa e desconcertante para a maioria das mulheres (1).

A coceira e ardor na vagina geralmente são um sinal de vaginose bacteriana ou uma infecção por fungos.

Em alguns casos, a menopausa, o pós-parto ou uma doença sexualmente transmissível, como a tricomoníase, herpes ou clamídia, sejam talvez os culpados.

Esta queimação vaginal intensa, normalmente piora à noite, tornando a condição horrível de se conviver.

No entanto existe uma boa abundância de remédios caseiros, que fornecem um tratamento natural para aliviar a irritação.

O que causa a coceira na vagina?

1. Vaginose bacteriana

Quando a sensação de queimação for acompanhada por corrimento vaginal com mau cheiro (que pode parecer branco acinzentado ou amarelo), o ecossistema bacteriano da vagina pode estar comprometido.

O evento geralmente ocorre em mulheres que têm um grande número de parceiros sexuais (2).

A vaginose bacteriana pode ser prejudicial no caso da mulher estar grávida e para o seu feto. O tratamento médico nestes casos é altamente recomendado.

2. Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)

Muitas doenças sexualmente transmissíveis comuns (por exemplo, tricomoníase, verrugas genitais, herpes genital, clamídia, piolho púbico e gonorreia) causam cistos de Bartholin, prurido vulvar e irritação.

As DSTs podem causar doença inflamatória pélvica, infertilidade e complicações na gravidez se não forem tratadas (3).

3. Infecção por fungos (candidíase vaginal)

Esta é uma infecção extremamente comum que afeta 75% das mulheres pelo menos uma vez na vida.

Quando existe a presença de corrimento vaginal branco e espesso acompanhado de coceira vulvar e sensação de ardor, é possível que tenha ocorrido um crescimento de leveduras.

Este crescimento de fungos pode ocorrer durante as relações sexuais, na gravidez, após a toma de antibióticos ou devido ao enfraquecimento do sistema imunológico (4).

4. Irritantes químicos e alergias

A queimação vulvar e a irritação também podem ser causadas por reações alérgicas às substâncias químicas encontradas em itens comuns.

Sabonetes, detergentes para a roupa, cremes, espermicidas, esponjas vaginais, desodorantes femininos, espumas contraceptivas, duchas vaginais, tampões e absorventes, todos eles podem irritar a vulva e a vagina.

Nestes casos a coceira geralmente desaparece quando a mulher deixa de usá-los.

Deve optar sempre por contraceptivos “sem cheiro”, “sem fragrância” e sem látex, se isso for aplicável ao seu caso (5).

5. Menopausa e pós-parto

O prurido vulvar é também muito comum durante a menopausa e no período pós-parto.

Eles são causados ​​por uma queda repentina nos níveis de estrogênio – que muitas vezes causa o afinamento e o ressecamento das paredes vaginais.

Esta alteração pode causar irritação e coceira.

A coceira na vulva durante a gravidez também pode ocorrer devido a alterações hormonais, mas é mais comum no período pós-parto, especialmente pnas mulheres que amamentam. (6).

6. Esclerose liquenóide

As mulheres na pós-menopausa também são suscetíveis a essa condição rara.

Ela envolve a formação de manchas brancas finas na pele, especialmente ao redor da vulva.

Essas manchas podem causar cicatrizes permanentes ao redor da área vaginal, bem como sensações de coceira e queimação (7).

7. Roupas inadequadas

As roupas muito justas ou não-respiráveis podem causar erupções de calor na área vaginal.

Tratamento médico

Não existe um tratamento médico padrão para a coceira na vagina, uma vez que podem ser prescritos diferentes tratamentos de acordo com a causa subjacente:

  • Para a vaginose e DSTs estão indicados: antibióticos ou antiparasitários
  • Para as infecções fúngicas: medicamentos antifúngicos
  • Para a coceira relacionada à menopausa: creme de estrogênio, comprimidos ou aneis vaginais
  • Para a esclerose liquenóide estão indicados: cremes ou loções esteróides

Além de manter a higiene genital adequada e uma dieta saudável ajudem, a mulher também pode recorrer a alguns remédios caseiros para obter uma recuperação mais rápida (e evitar qualquer re-infecção).

O remédio que escolher dependerá da causa da sua coceira. Se não tiver a certeza, consulte o médico primeiro.

Remédios caseiros para coceira vaginal

Iogurte

No caso de vaginose bacteriana, o ecossistema bacteriano da vagina pode ter sido comprometido. Um estudo realizado em 2014 observou que os tratamentos comuns para a vaginose bacteriana (metronidazol e clindamicina) na verdade não impedem a sua recorrência (8).

Uma vez que o número de lactobacilos presente na vagina de uma mulher com vaginose bacteriana é significativamente menor do que o de suas contrapartes saudáveis, a introdução de bactérias lactobacilos pode ajudar a reequilibrar a flora vaginal.

A mulher pode introduzir as bactérias Lactobacilos através do consumo de alimentos que contenham as bactérias ou através de aplicação direta na vagina.

Ambos os métodos são eficazes para restaurar o equilíbrio de bactérias vaginais saudáveis ​​(sem causar efeitos adversos).

O iogurte natural é repleto de bactérias lactobacilos e é um excelente remédio caseiro para o prurido vulvar – que ajudará a matar todo o fermento e bactérias ruins na vagina.

Como usar o iogurte?

Cubra um tampão (absorvente interno) com iogurte natural e insira na vagina. Deixe o absorvente no local durante duas horas e repita a aplicação duas vezes por dia.

Lembre-se também de comer iogurte natural com bacilos todos os dias.

Kefir

O kefir é um excelente remédio caseiro cpara o prurido vulvar.

Semelhante ao iogurte, é um alimento lácteo fermentado rico em probióticos que vem recheado de bactérias lactobacilos e Bifidus,extremamente eficazes no reequilíbrio da flora vaginal.

A aplicação do kefir pode provocar o alívio imediato da coceira e do inchaço.

Como usar o kefir?

Cubra um absorvente interno com kefir e insira na vagina. Deixe atuar durante duas horas e repita o processo duas vezes por dia.

Lembre-se também de beber dois copos de kefir todos os dias.

Própolis (cola de abelha)

Além do mel e da geleia real, as abelhas também produzem um composto chamado maravilhoso chamado própolis.

Este produto orgânico pegajoso, de cor castanho-esverdeada, é utilizado pelas abelhas como revestimento para as suas colmeias.

O composto é feito da combinação de seiva da árvores, da descarga das abelha, e da cera destas.

Uma publicação realizada em 2017 descobriu que a aplicação direta de uma solução aquosa de extrato de propolis a 5% melhora a coceira e o ardor na vagina em virtude das suas ações, antibiótica e antifúngica (9).

O própolis é muitas vezes usado como remédio para infecções por fungos, uma vez que as suas propriedades anestésicas fornecem um alívio rápido da coceira.

Para beneficiar das suas propriedades antibacterianas, prepare uma solução aquosa de própolis a 5% com água morna e aplique-a na área afetada durante sete dias.

Mel

Um artigo publicado em 2017 no Journal of Medical Mycology (10) verificou que o mel demonstra um amplo espectro de atividade contra muitos patógenos humanos.

Em particular, o mel provou ser eficaz em exibir atividade antifúngica contra várias espécies de Candida (ou seja, leveduras, fungos).

Apesar de ter uma eficácia diferente na inibição de diferentes leveduras, é possível as mulheres beneficiarem muito com a aplicação de mel cru (puro) na vagina uma vez por dia.

Para além disso, recomenda-se o consumo de duas colheres de sopa de mel com um copo de água morna por dia, de preferência em jejum.

Creme de calêndula

Uma publicação realizada em 2018 verificou que o creme à base de extrato de calêndula (creme de calêndula) é tão eficaz no tratamento da Vaginose bacteriana em mulheres em idade reprodutiva (sem quaisquer efeitos colaterais) quanto o metronidazol (11).

Beneficie das propriedades antibacterianas e antifúngicas da calêndula, aplicando na vagina uma pomada ou creme contendo calêndula, uma vez por dia ou, se a coceira for pior à noite, aplique o creme antes de dormir.

Vinagre de maçã

Num estudo realizado em 2017, observou-se que uma mulher com infecção por candida vaginal crônica foi curada através da aplicação de vinagre de maçã, quando os tratamentos médicos habituais já não conseguiam ajudá-la (12).

Dado que a condição era severa (a paciente experimentou um corrimento vaginal intenso acompanhado de odor desagradável, coceira, dor na virilha e infertilidade nos últimos cinco anos).

Os pesquisadores concluíram que o vinagre de maçã serve como um tratamento alternativo extremamente benéfico.

Como usar o vinagre de maçã?

Adicione duas colheres de sopa de vinagre de cidra de maçã cru a um copo de água morna e use-a para limpar a vagina duas vezes ao dia durante a semana.

Ao mesmo tempo, consuma 1 colher de sopa de vinagre de maçã cru, juntamente com 1 colher de chá de mel cru, e um copo de água morna duas vezes por dia.

Também pode adicione uma xícara de vinagre de maçã ao banho e ficar de molho durante trinta minutos ou fazer um banho de assento.

Para realizar o banho de assento use cerca de 3 a 4 litros de água morna e adicione 2 colheres (de sopa) de vinagre de maçã.

Azeite ozonizado

O azeite de oliva ozonizado é um azeite feito borbulhando ozônio em azeite extra-virgem, orgânico e prensado a frio, por um período prolongado.

Acredita-se que o azeite ozonizado é capaz de curar uma grande variedade de doenças e oferecer vários benefícios à saúde.

No estudo realizado em 2016, descobriu-se que o azeite ozonizado é um tratamento alternativo extremamente eficaz em infecções fúngicas vaginais (13).

Este benefício ocorre porque o ozônio tem efeitos antifúngicos comparáveis ​​aos do creme de clotrimazol.

Os pesquisadores observaram que ele foi capaz de reduzir significativamente as sensações de ardor e prurido vaginal nas participantes.

Para usar o azeite de oliva como remédio caseiro, basta aplicar uma mistura de azeite ozonizado e água morna topicamente uma vez por dia.

Suco de oxicoco

Um artigo publicado em 2016 no Canadian Journal of Urology verificou que beber suco de arando ou oxicoco (cranberry) sem açúcar eliminou um potencial patógeno da vagina em 42% quando consumido duas vezes por dia (14).

O suco de cranberry é também conhecido por prevenir infecções do trato urinário, sem causar efeitos adversos nas bactérias vaginais.

Desta forma, todas as mulheres podem beneficiar bebendo 2 copos de suco de cranberry sem açúcar todos os dias, até que a coceira ou a dor diminuam.

Óleo essencial de murta-comun

O óleo essencial de murta (Myrtus communis) é um potente remédio caseiro para a coceira anti-bacteriana na vagina.

Pode ser usado para tratar a vaginose bacteriana e a vaginite.

O tratamento padrão para a coceira na vagina causada pela vaginose bacteriana é um gel vaginal contendo metronidazol.

No entanto, o tratamento é significativamente melhorado quando o óleo de murta é adicionado ao gel.

Os pesquisadores descobriram que a coceira retornou em 30% dos casos que foram tratados apenas com metronidazol. Naqueles que utilizaram o óleo de murta, os sintomas não voltaram a ocorrer. (15)

Alho

O alho é rico em alicina, enxofre, zinco, cálcio e selênio, daí ser um antibiótico, anti-fúngico, antiinflamatório natural maravilhoso.

O bolbo pode ajudar a tratar todas as causas da coceira.

O alho pode ser consumido cru ou na forma de suco, pó ou cápsula ou pode ser usado topicamente na vagina:

Como usar o alho?

Adicione algumas gotas de óleo essencial de alho a uma colher de chá de azeite de oliva.

Massageie o óleo na área afetada.

Aguarde 20 minutos e depois enxágue com água morna.

Pode doer um pouco, mas vai matar as bactérias e, quando é lavado, vai aliviar o inchaço no local.

Creme de camomila

A aplicação de cremes de hidrocortisona é muitas vezes prescrita para a irritação que não é causada por fungos ou bactérias. E, embora forneça alívio, a hidrocortisona tem alguns efeitos colaterais significativos.

Sempre que a mulher tem coceira na vagina após o parto, na menopausa, ou líquen escleroso, a camomila é o melhor creme para tratar o problema e uma alternativa viável aos cremes de hidrocortisona.

A camomila é um membro da família da margarida e tem sido demonstrado em vários estudos ser um excelente anti-inflamatório.

Se a causa da coceira for a secura na vagina, a camomila irá aliviar o inchaço e a irritação.

Vários estudos mostraram também que o creme de camomila pode ser tão eficaz quanto a hidrocortisona. (16)

Aplique o creme topicamente na região afetada. Se a coceira piorar durante noite, aplique antes de dormir.

Lilás indiano ou Neem

O lilás indiano (também conhecido como neem) é um remédio maravilhoso para todas as mulheres que sofrem de infecção por fungos.

As suas propriedades anti-sépticas começam rapidamente a combater o fungo.

Como usar o neem?

Basta ferver um punhado de folhas em 3 xícaras de água mineral. Deixe esfriar e use a solução para enxaguar a vagina.

Adicione algumas gotas de óleo de nim, aqueça e use no local.

Também pode beber o chá de neem ou tomar o extrato de neem em forma de cápsula.

Óleo de côco

O óleo de coco contém ácido láurico, bem como ácido caprílico, ambos anti-inflamatórios.

O produto ajuda a matar os germes que causam vaginose bacteriana e luta contra as infecções causadas por fungos.

Ele fornecer alívio rápido da irritação da vulva e reduz a inflamação. (17).

Como usar o óleo de coco?

Aplique um pouco de óleo de coco orgânico diretamente na área afetada três vezes ao dia.

Uma vez por dia, mergulhe um absorvente interno no óleo de coco e coloque-o na vagina. Deixe atuar na vagina durante algumas horas. Retire o tampão e lave bem a área infectada com água morna.

Adicione também um pouco de óleo de coco às suas refeições.

Bicarbonato de sódio

Quando o prurido vulvar ocorre devido à vaginose bacteriana, as mulheres podem usar o bicarbonato de sódio para fornecer alívio imediato.

Um dos sintomas de vaginose bacteriana é o desequilíbrio nos níveis de pH da vagina.

Esse desequilíbrio promove o crescimento de bactérias patogênicas e são essas bactérias ruins que causam a coceira.

O bicarbonato de sódio funciona através da restauração do pH natural da vagina.

Como usar o bicarbonato de sódio?

Não use o bicarbonato de sódio em forma de pasta, pois será muito forte e causará queimação intensa (muito pior do que a condição em si).

Em vez disso, ao realizar um banho, adicione uma xícara de bicarbonato de sódio à água.

Mergulhe por pelo menos trinta minutos.

Óleo da árvore do chá

O óleo da árvore do chá (Melaleuca alternifolia) é outro óleo essencial antibacteriano fortemente antifúngico. É particularmente eficaz contra infecções fúngicas.

O óleo quebra a membrana do fungo candida, enfraquecendo a parede celular, permitindo que a defesa imunológica do corpo comece a funcionar. (18)

Como usar o óleo da árvore do chá?

Adicione 5 gotas de óleo ao banho e fique de molho durante trinta minutos.

Não consuma porque é tóxico.

Não é aconselhável aplicar o óleo topicamente na vulva ou no interior da vagina, pois é um óleo muito forte e pode induzir mais irritação e ardor.

Hamamélis, ou Hamamélia

O fungo, Candida, é a principal causa de infecções fúngicas vaginais. Vive bem em ambientes ligeiramente ácidos. Qualquer tratamento que cause o aumento da acidez da vagina pode estimular o crescimento do fungo.

A Hamamélis é um forte anti-inflamatório e anti-séptico e pode ser usada para tratar a coceira causada pela vaginose bacteriana.

No entanto, a hamamélis aumenta o pH da vagina, e se a mulher tiver uma infecção causada por fungos, enquanto o anti-séptico ajudará a reduzir o crescimento do fungo, o pH elevado pode fazer o oposto e promover o crescimento deste.

Algumas evidências mostram que, em algumas mulheres com infecções fúngicas, a coceira piorou após o uso da hamamélis.

Portanto, use a hamamélis apenas se tiver certeza de que tem realmente vaginose bacteriana.

O que deve fazer

Mantenha uma dieta saudável.

Mantenha-se hidratada durante todo o dia para ajudar a limpar o trato urinário.

Use sabonete simples e sem cheiro para limpar a vulva.

Faça o teste para as DSTs.

Use sempre a proteção sexual adequada durante a relação sexual.

Limpe sempre a vagina da frente para trás.

Mude a cueca (calcinha) todos os dias

O que não deve fazer

Evite fumar ou fazer a ducha vaginal.

Não lave a vagina mais de uma vez por dia para evitar a secura.

Evite arranhar a área com coceira ou ardor.

Evite todos os produtos de higiene feminina “perfumados”.

Evite relações sexuais nesta fase.

Evite usar roupas íntimas apertadas ou roupas feitas de fibras sintéticas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here